segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Myself

“Eu não estava dormindo, e nem tinha fumado naquele dia.” 

DSC_0071

    E eu acordei mais leve, nada era importante e não havia motivo pra levantar, mas eu me levantei, como em um daqueles movimentos involuntários que você faz quando um estranho acena para você, e você responde. Bastou imaginar essa cena e eu estava de pé, em meio a uma multidão de pessoas que passavam acenavam e sumiam. Mas tudo continuava muito leve, claro, limpo, desimportante demais e sem motivos para preocupação. Não me lembrava de ter ido me deitar, muito menos de ter adormecido naquele lugar limpo, claro, leve e surreal. Mas nada disso me preocupava, tudo devia estar suspenso e nada devia pesar, não havia com o que se preocupar, era leve. E naquele local novo, estranho e flutuante, em meio aos estranhos acenando, apareciam rostos conhecidos de gente bonita e famosa que eu reconhecia, mas que com certeza não fazia a menor ideia da minha identidade. Um pensamento engraçado me ocorreu, e me pus a rir em outro ato involuntário. Toda aquela gente achava que era estranha, mas não era! Os rostos que eu conhecia, que eu via na TV, as vozes que eu ouvia no rádio, as faces que eu tinha conhecido no youtube, todas elas me encaravam, acenavam como estranhos (pois aquele era um peculiar aceno de estranhos) e sumiam , por todas as partes, em meio aos outros estranhos. Eu via, e ria! Eles achavam que eram estranhos mas eu os conhecia, não é hilário? E pensando bem, até mesmo aqueles que eu realmente não conhecia, havia passado a conhecer, pelo menos a face. Daí comecei a refletir que nem mesmo os realmente estranhos continuavam completos desconhecidos a partir do momento em que eu os localizava no meu campo de visão. E daí para achar que eu conhecia todo mundo foi um pulo. Quando pensei isso todos começaram a aparecer, acenar, sorrir, e sumir. Mas a imagem de cada um deles ficava na minha retina, como quando se olha para o sol e é preciso piscar freneticamente para retirar o pontinho luminoso dos olhos. Agora eles acenavam como conhecidos, sabe? Parece bobo mas existe uma diferença imensa entre o aceno de um estranho e de um conhecido... Nada que possa ser taxonomicamente analisado e explicado, mas você sabe diferir. E eu sabia. Aquele lugar leve, calmo puro e suspenso começou a ficar embaçado da imagem de cada quase-estranho que surgia e acenava, agora eu tinha certeza que conhecia todo mundo, e achei que talvez fosse assim que se sentisse Deus. Então, a partir daí eu senti meu corpo se elevar e via todos eles de cima, e continuavam acenando... Engraçado, eu sempre quis saber se existia um Deus, nunca acreditei nele, e agora eu me via ali encima, olhando todos os conhecidos do mundo acenarem e sumirem. E então o grande dilema metafísico havia sido resolvido. Não havia mais a questão na minha mente de quem era Deus ou porque ele deixava tanta gente sofrer... Eu era Deus!
    Eu era Deus... não era?
    E de repente o lugar que me parecia leve pesou, meu corpo caiu, o que ere limpo condensou, o claro escureceu e milhões de estranhos começaram a salpicar naquele novo lugar pesado e incomodo, olhando, acenando, gritando por mim. Nenhum deles parecia ouvir minha resposta, e por mais que eu os fitasse eu não conseguia ter aquela sensação de que já os conhecia de algum lugar, nem famosos nem anônimos, só estranhos. Mesmo depois de entrar no meu campo de visão eu não podia achar que os conhecia, nem ao menos a sua face. E foi nesse súbito lance de pensamento que percebi, que todos aqueles milhões de estranhos gritando e clamando por mim tinham uma estranha face, a minha face, e nem por isso eu os achava familiares. Ali estava alguém, que supus eu, jamais poderia conhecer. E quando pensei isso, dessa vez, nada mudou.

Álbum de inspirado no texto: Flesym

9 comentários:

Paulinha Pinheiro disse...

Nossa, curti muito, Marcos! Não tenho certeza de que entendi exatamente o que você queria dizer, mas entendi algumas coisas muito bacanas, haha.

Adorei a progressão da cena, o seu ritmo é muito bom.

De onde é essa citação inicial? Eu conheço ela...
(@getalittlecuter)

ziih disse...

Como vc anda poético, Mark :D Eu gosto
Esse texto tá ligado aquele projeto top secret que vc me contou? :X

Marcos disse...

@getalittlecuter Paulinha! A citação inicial, pasme, é de uma peça dos melhores do mundo "Hermanoteu na terra de Godah" rsrsr Não é exatamente o que dizem na cena mas tem o mesmo sentido!
Nem eu sei se entendi tudo o que está aí, as vezes, relendo, eu construo outras produções de sentido... Mas tem uma moral como um todo... Depois te conto, na facul.
E ziiih! Não tem muito a ver com o topsecret não... mas o estado de espírito em que isso me deixa pode influenciar. rsrsrs

MiliLitros disse...

"E de repente o lugar que me parecia leve pesou, meu corpo caiu, o que era limpo condensou, o claro escureceu e milhões de estranhos começaram a salpicar naquele novo lugar pesado e incômodo, olhando, acenando, gritando por mim."

Sinto-me exatamente assim em situações de total desespero. Parece-me que os olhos tornam-se a entrada para minha mente, até então vazia de tudo, e dão licença para milhões e milhões de pessoas, coisas, sons e luzes adentrarem. Aquela tranquilidade esvai-se por completo e a cada milésimo de segundo vivido parece distanciá-la mais e mais - mesmo tendo a consciência de que comigo tudo é temporário.

gabriela bianchi disse...

moral da história: café e cigarros. taí uma combinação boa

gabriela bianchi disse...

mentira, a moral da história é que a gente devia fumar mais cigarros pra ter a desculpa de poder escrever mais coisas assim. cigarro e poesia, isso sim é uma combinação boa. a fumaça entra, e as ideias saem

Marcos disse...

Cafeína.
Nicotina.
Morfina.

Vida com INA: É muito mais prazer.

fêrlyvictoria disse...

Olá, passando aqui linda *-*, estou te seguindo, visita meu cantinho também :
http://reverseobrlife.blogspot.com/

Mel disse...

Que maravilha de blog!

Postar um comentário

Comentário, segundo o dicionário, é uma nota crítica; reparo; crítica; censura; correção.
Comentar, segundo o dicionário, é explicar, interpretando e anotando; fazer comentário a; criticar maliciosamente; analisar; inventar.

Comentem, pessoal!
Os comentários entusiasmam os autores das postagens e os dão ânimo para escreverem postagens ainda melhores e manterem o blog sempre atualizado!

Critiquem!
As críticas, sejam construtivas ou maliciosas, nos fazem crescer!

O seu comentário é publicado IMEDIATAMENTE aqui no blog. Sem passar por moderação! E vai parar como um link no twitter do azulimão!
Afinal: Censura é coisa da ditadura...

DICA! Se você tem twitter deixe seu link "@seutwitter" no comentário e quando ele for respondido você recebe a resposta no twitter! ;D

lol, você chegou ao fim da página! Esperamos que tenha gostado.
Se depois de perceber as qualidades(A) e também os defeitos (6) de cada um você ainda quiser conhecer virtualmente ou até pessoalmente os autores, acesse Sílvia e/ou Marcos; VALEU!

PAGERANK

Basicamente essa paradinha de PageRank é uma avaliação da relevância da página. Essa relevância é divulgada em uma escala de zero a 10. Observe o nosso, ele é fruto de seus acessos, caros leitores :) Pagerank 2
Medir